Olá pessoal! Vamos hoje falar sobre algo que é o sonho de muitos que é ver e fotografar as auroras boreais.

Nessa minha viagem de março de 2018 vocês devem ter visto que eu fui para a Escandinávia para caçar as famosas luzes do norte. Claro que pra isso exige uma certa preparação, uma dose de sorte e estar nos lugares certos na hora certa. Nesse vídeo eu vou compartilhar com vocês as dicas mais importantes pra fotografar esse fenômeno incrível. Vamos pra primeira?

1.       Altas latitudes

A primeira coisa que você vai precisar par ver as auroras é estar em uma alta latitude, tanto para o sul, quanto para o norte. A aurora ao sul é chamada de aurora austral e ao norte, aurora boreal. Geralmente ao sul é mais difícil ter uma visão das auroras pois apenas quando o fenômeno está bem forte é possível visualizá-la fora da Antártida, e apenas em alguns territórios como nova Zelândia, tasmânia e outros. Ao norte a história é um pouco diferente, pois há muitos territórios em altas altitudes ao norte: Islândia, Finlândia, Noruega, Rússia, Canadá, Alaska, e vários outros. Minha dica aqui nos territórios de altas latitudes é conseguir ficar em um lugar que as temperaturas não sejam tão cruéis, já que o fenômeno é visto apenas a noite. Islândia e Noruega estão nessa lista de lugares favoritos por que tem a chance de não serem tão gélidos quanto Rússia, Finlândia e Alaska.

2.       Temporada certa no ano

No hemisfério norte, as auroras são visíveis desde meados de setembro até meados de abril que é quando as noites são escuras. Em outras épocas é impossível vê-las, pois, a noite é clara demais por conta das latitudes elevadas e o verão. Logicamente, é melhor escolher uma época que o frio não seja tão devastador, então, nós costumamos escolher os meses antes do começo e ao final do inverno para equilibrar. No entanto, também é possível ver no auge do inverno, considerando que as noites são bem mais longas. É só aguentar o frio!

3.       Planejamento (e um pouco de sorte)

As auroras são um fenômeno natural, e como tal são difíceis de prever. Existem vários aplicativos como o My Aurora Forecast e o Aurora Alerts, e o site Aurora Service que podem dar previsões razoavelmente acuradas pro fenômeno. Além disso é necessário que a noite esteja sem nuvens densas para poder visualizar, já que as luzes acontecem em uma camada bem alta da atmosfera terrestre. As chances são mais altas em altas latitudes, já que nos polos há uma grande incidência do fenômeno, mas há um índice chamado KP que mede a intensidade das tempestades magnéticas que você pode monitorar. Eu, dos 20 dias de viagem consegui pegar 4 noites de visão clara do fenômeno. Ou seja, somando tudo isso, é ideal que você planeje sua estadia e suas caçadas baseado no clima, e nas previsões dos apps.

4.       Equipamentos Fotográficos

A grande maioria das minhas fotografias de auroras foram feitas com minha 14mm f/2.8. É possível usar outras lentes, principalmente quando as auroras estiverem bem fortes no céu, mas minha recomendação é usar uma lente com perfil para fotografia noturna para captar o melhor do fenômeno. Tripés são extremamente importantes, pois para captá-las com clareza, você vai precisar fazer uma exposição um pouco mais longa.

5.       Configurações da câmera

As exposições podem variar de mais de 30 segundos a algo como 1 a 2 segundos. Minha dica é que quanto mais fortes e rápidas estiverem as auroras, menor a exposição. As vezes, só é possível vê-las no horizonte, ou em altas camadas da atmosfera, assim é melhor usar uma exposição de 15 a 30s para visualizar. O ISO, eu mantive entre 1600 a 3200. Em alguns casos você pode até arriscar um 6400, mas cuidado para não gerar muito ruído. A abertura, você pode usar o máximo que sua lente permitir. Meu caso foi o f2.8, mas se você tiver lentes mais rápidas, melhor ainda.

Dica extra: Proteja-se do frio!

De noite, em climas quase polares, é normal que você fique bastante tempo exposto a temperaturas bem abaixo de zero. É comum algo como menos dez, menos quinze. Então, leve um agasalho corta vento, camadas, botas, luvas, tudo que você puder para ficar o máximo de tempo confortável. Vai ser extremamente frustrante se você tiver um display maravilhoso das auroras e não puder fazer as imagens ou mesmo vê-las em seu esplendor máximo por conta de algo comum como o frio.

Valeu, pessoal! Espero que tenham curtido as dicas! Compartilha com aquele seu amigo aventureiro e viajante e deixa um like aí se foi útil pra você! Te vejo na próxima, tchau, tchau!

Comment